TRMM Data Downloader for QGIS

TRMM Data Downloader for QGIS

TRMM Data Downloader for QGIS é um Complemento que permite baixar os dados de estimativa de Precipitação do Tropical Rainfall Measuring Mission.

Faça o download dos dados das estimativas de precipitação do TRMM e crie mapas temáticos. Os dados diários estão disponíveis de 1 de janeiro de 1998 a 31 de julho de 2015.

Com o Complemento TDD é muito prático e simples baixar os dados, que já vem alinhados e no formato GeoTIFF.

FAOSTAT Data Downloader for QGIS

Referências

http://geobricks.github.io

Create FAOSTAT Maps with QGIS

https://disc.gsfc.nasa.gov/SSW/#keywords=TRMM_3B43

QML do Mapa Geológico do Brasil ao Milionésimo

Se você já acessou o novo portal da CPRM (Serviço Geológico Brasileiro), o GeoSGB (antigo GeoBank) para baixar Mapas Geológicos, Hidrogeológicos e Dados Geofísicos, deve ter reparado que agora as legendas dos mapas vem também no formato SLD (padrão geoespacial aberto – OpenGIS da OGC), além do formato LYR do ArcGIS (antigamente vinha em formato AVL do ArcView 3).

Essa opção de legenda (em SLD – Styled Layer Descriptor) pode ser usado no QGIS, gvSIG e outros SIG’s Open Source que seguem os padrões da OGC.

Porém, no QGIS 2.18 (versão de longa duração, mais atual e estável) tem apresentado problemas para ler esse arquivo de estilo.

Pensando nisso, o Geólogo Arthur Endlein resolveu portar o arquivo de estilo para QML (arquivo de estilo nativo do QGIS).

QML do Mapa Geológico do Brasil ao Milionésimo

Um arquivo de estilo (.qml) para o mapa geológico do Brasil ao milionésimo (http://www.cprm.gov.br/publique/Geologia/Apresentacao-202). Foi produzido a partir da correção manual do arquivo de definição para o ArcGIS, conversão para o formato SLD utilizando a ferramenta ArcGIS-Map to SLD converter e finalmente transcrevendo as informações de cor do SLD resultante para um arquivo QML utilizando o script sld_to_qml.py incluso neste repositório.

Para baixar o arquivo de estilo do QGIS (.QML) é só ir no repositório no Github:

Referências

National Geologic Map Database

SAGA GIS 4

SAGA GIS 4

Atualmente na sua versão 4.0.1 (20/03/2017) o SAGA (System for Automated Geoscientific Analyses) GIS (Geographic Information System) é um excelente SIG para Geoprocessamento, Processamento Digital de Imagens de Sensoriamento Remoto e Análises Espacial, de Terreno, Estatística e Geoestatística, Hidrológica, de Solos, Morfometria, etc.

Trabalha com dados raster, vetorial, grades, nuvens de pontos (escâner a LASER – LIDAR), redes e bancos de dados. Tem visualizador 3D tanto para Superfícies quanto Nuvem de Pontos.

Existe uma Comunidade Brasileira do SAGA (SAGA GIS Brasil), que produz material em português brasileiro, como manuais, apostilas e tutoriais.

E também um site de tutoriais (Saga GIS tutorials – em inglês) com muitos exercícios práticos.

No QGIS, os módulos da API do SAGA (versão 2.3) são acessíveis na Caixa de Ferramentas de Processamentos, integralmente incorporadas no QGIS.

Referências

Site oficial – http://saga-gis.org

Comunidade Brasileira do SAGA – https://sagagisbrasil.wordpress.com

Saga GIS tutorials – https://sagatutorials.wordpress.com

 

QGIS plugin for hotspot analysis

Mapas de calor (Heat Map) são uma das melhores ferramentas de visualização de dados de densidade de pontos. Mapas de calor são utilizados para identificar facilmente aglomerados e encontrar onde existe uma elevada concentração de uma determinada atividade. Eles também são úteis para fazer análises de agrupamentos (cluster) ou análise de pontos quentes (hotspot analysis).¹

Para demonstrar a aplicação dessas análises, vamos usar o famoso “Mapa da Cólera em Londres – 1854 de John Snow” (esse sabia muito!).¹¹

No QGIS 2.18 Las Palmas de G.C. é possível criar um Mapa de Calor diretamente no Estilo da Camada (de Pontos), sem precisar usar o complemento Mapa de Calor (que cria um raster).

Com isso se tem a interpolação dos Pontos pela distância (o raio é a distância mínima da influência do ponto com os pontos vizinhos) e ponderada pela contagem (atributo) de ocorrências.³

Análise de Hotspot no QGIS

Mapas de calor e de pontos quentes são semelhantes, podem parecer o mesmo de algumas maneiras, mas são completamente diferentes. Os pontos quentes são determinados por estatísticas e os mapas de calor são determinados pela distribuição. Os mapas de calor são medidos pela proximidade dos pontos e os pontos quentes são medidos estatisticamente pelo nível de confiança.²

O complemento do QGIS para executar a Análise de Pontos Quentes (Hotspot) é baseada na Biblioteca Python de Análise Espacial – PySAL.

O plugin de análise de Hotspot associa os Z-escores e os p-valores (sob a hipótese de Aleatoriedade Espacial Completa) da estatística local Gi* (Getis e Ord, 1992; Getis e Ord, 1996), Anselin I de Moran Local (Anselin, 1995) e Moran Bivariada Local (Wartenberg, 1985) para cada feição do shapefile, com um sistema de coordenadas projetado atribuído e um atributo numérico associado. A camada de saída permite identificar hotspots (ou coldspots) no conjunto de dados de entrada, bem como sua significância estatística.

Para o que se refere a estatística local Gi*, o escore Z positivo e estatisticamente significativo indica um cluster intenso de valores elevados (hotspot). Escores Z negativos e estatisticamente significativos indicam cluster intenso de valores baixos (coldspot). Com relação ao I do Moran Local (e sua contrapartida bivariada, o Moran Local Bivariável), as pontuações Z são traduzidas em valores de quadrante (q) que descrevem a presença de Clusters ou Outliers dentro do conjunto de dados. A significância é calculada, com base na escolha do usuário, contra a suposição de normalidade ou usando a abordagem de permutações.

A relação espacial entre as feições pontuais é modelada usando uma Banda de Distância Fixa (expressa com a mesma unidade de medida do sistema de coordenadas projetado do shapefile de pontos de entrada). Para a análise do shapefile de polígonos, a relação espacial é modelada usando a matriz de contigüidade do “caso da rainha” (queen’s case). Para mais informações, consulte: Análise Geoespacial – 5ª Edição, 2015 – de Smith, Goodchild, Longley [En].

*Texto foi traduzido (em parte) do site HotSpotAnalysis Plugin²², de Daniele Oxoli. ₢2017.

Referências

²²https://github.com/danioxoli/HotSpotAnalysis_Plugin

²https://yuhuinnovation.maps.arcgis.com/apps/MapJournal/index.html?appid=b89b59ef0ad14534aae4e5fc85fdb2eb

¹http://www.qgistutorials.com/pt_BR/docs/creating_heatmaps.html

³https://rodolfomaduroalmeidasite.wordpress.com/2017/02/14/analise-de-densidade-de-eventos-pontuais-utilizando-o-qgis

http://www.pet.est.ufpr.br/?p=3592 Autocorrelação Espacial – I de Moran

John Snow’s famous cholera analysis data in modern GIS formats

¹¹http://blog.rtwilson.com/john-snows-famous-cholera-analysis-data-in-modern-gis-formats

https://www.theguardian.com/news/datablog/2013/mar/15/john-snow-cholera-map

https://www1.udel.edu/johnmack/frec682/cholera/cholera2.html

QGIS Plugin for dividing polygons

No momento de fazer o parcelamento de Polígonos (dividir em áreas iguais), a solução buscada é o Complemento Polygon Splitter mas que o mesmo tem apresentado problemas, dando resultados nulos (testado no QGIS 2.18.6 x64).

Como alternativas, vamos apresentar dois Complementos que tratam dessa tarefa:

  • SplitPolygonShowingAreas – (‘Split Features On Steroids’) divide uma ou mais feições de polígono / multipolígono mostrando as áreas resultantes em cada lado da linha de corte e permitindo edições de linha de corte (semelhante à ferramenta de edição ‘Quebrar Feições’).

  • Polygon Divider – (‘Divide Polygons’) é um complemento para o QGIS que pega um polígono e o divide eficientemente em um número de polígonos ‘quadrangulares’ de um tamanho definido (área), que é útil para uma infinidade de aplicações tais como o parcelamento de terra, a amostragem ambiental, e assim por diante.

Como um exemplo simples trabalhado, você pode pegar um polígono como este:

… e dividi-lo em um número menor de polígonos ‘quadrangulares’ de cerca de 1000m² (seria exatamente 1000m² se o polígono acontecer de ter uma área que divida precisamente por 1000). Cabe ressaltar que para que as áreas sejam cortadas em Quilômetros Quadrados (km²) o valor deve ser de 1.000.000 m² (1.000×1.000).

QGIS PKtools Plugin

PKtools – Processing Kernel for geospatial data

PKtools é uma suíte de utilitários escritos em C++ para processamento de imagem com um foco em aplicações de Sensoriamento Remoto.
Ela depende fortemente da biblioteca de abstração de dados geoespaciais GDAL (http://www.gdal.org) e OGR.
Alguns dos programas são semelhantes às ferramentas GDAL (gdalinfo, gdal_translate, gdal_merge,…) e muitas das funcionalidades fornecidas no pktools já existem.
A razão para a implementação de pktools é uma combinação de preferência pessoal e em alguns caso funcionalidades adicionais (Pieter Kempeneers).
Todos os utilitários em pktools usam opções de linha de comando e tem ajuda embutida.

Complemento pktools no QGIS

Uma seleção dos utilitários pktools podem ser executados no QGIS, através da Caixa de Ferramentas de Processamento.
http://pktools.nongnu.org/html/md_apps.html
Certifique-se de que o pktools está instalado no seu Sistema, baixando e descompactando ele (p.ex., "C:\OSGeoW64\apps\pktools" ou "C:\Program Files\QGIS 2.18\apps\pktools").
Em seguida, você pode instalar o Complemento pktools através do menu do QGIS Complementos > Gerenciar e Instalar Complementos. (Configure o caminho para o pktools no menu Opções).

Filtros

No GDALTools (menu Raster) só tem a opção de filtro gdal_sieve (remove pequenos "polígonos" raster).
Já no pktools tem-se uma dezena de filtros tanto no domínio espacial quanto no espectral/temporal.

Filtro de Suavização

Para eliminar ruídos da Imagem
Smooth

Filtro de Majoração

Limpar pixels espúrios da Classificação de Imagens, homogeneizando o resultado.
Majority

LIDAR

LAS/LAZ para Raster

Converte a Nuvem de Pontos do escaneamento à LASER para uma Imagem Raster.

MDE para MDT

Converte o Modelo de Elevação para Modelo de Terreno (removendo o material de cobertura).
DEM to DTM

Referência:

Alerta sobre a “Web Mercator”

A NGA divulgou um aviso de cessar o uso em relação a produtos de webmapping para navegação e orientação devido a imprecisões com o mapa padrão.
A Agência Nacional de Inteligência-Geoespacial (NGA) Americana publicou alguns documentos recentes (fevereiro e maio de 2014) relativas à utilização da projeção de Web Mercator originalmente adotada pelos líderes da Internet (criado para o Google Maps, então adotado pela Microsoft Virtual Earth, Bing Maps) e também abraçada por outros provedores comerciais de API (OpenLayers, Leaflet, ArcGIS Online, 
OpenStreetMap…).
Esta recomendação refere-se ao fato de que esses provedores usam uma projeção de Mercator específica (Pseudo Mercator – EPSG 3857) que não é nem estritamente elipsoidal, nem estritamente esférica.
Então isso afeta cálculos feitos baseado no processamento do mapa como uma superfície plana (como o cálculo de áreas!).
Então Web Mercator é realmente uma projeção não conformal: fator de escala na direção meridiana N/S não é igual ao fator de escala na direção paralela E/W – não é uma constante, mas uma função de azimute (direção).

Referências:

http://blog.geogarage.com/2014/09/advisory-notice-on-web-mercator.html
http://docs.openlayers.org/library/spherical_mercator.html
http://earth-info.nga.mil/GandG/wgs84/web_mercator
http://geo.ebp.ch/2015/01/06/does-web-mercator-imply-erroneous-geospatial-positioning
https://glenbambrick.com/2016/02/03/web-mercator-fallacy
https://blogs.esri.com/esri/arcgis/2014/09/25/what-does-the-nga-web-mercator-advisory-mean-for-esri-defense-and-intelligence-users

    QGIS Land Surveying Plugin

    O Complemento SurveyingCalculation foi criado pela DigiKom (Hungria). Ele foi desenvolvido para o Cadastro de Parcelamento de Terras de Zanzibar (na costa da Tanzânia).

    Importando a Caderneta de Campo (Fieldbooks)

    Observações feitas com Estação Total e DGPS são armazenadas em cadernetas eletrônicas. Os arquivos de armazenamento de dados da caderneta devem ser baixados para o computador antes de você poder usá-los no Complemento. Diferentes tipos cadernetas são suportadas:

    • Leica GSI 8/16
    • Geodimeter JOB/ARE
    • Sokkia CRD
    • SurvCE RW5
    • STONEX DAT

    Qualquer quantidade de cadernetas eletrônicas podem ser carregadas/abertas no projeto do QGIS. Você pode também criar uma nova caderneta vazia e preenchê-la manualmente.

    Cálculos de Ponto Único

    Na caixa de diálogo cálculo único você pode calcular as coordenadas dos pontos únicos usando fórmulas trigonométricas.

    Cálculo de Poligonal

    Ajustamento de Rede

    Transformação de Coordenadas

    Divisão de Áreas

    Plotagem

    No Github tem o código fonte do complemento (com base de dados de exemplo) e um tutorial em PDF.

    Referências

    Geoportal do Exército Brasileiro

    A Diretoria de Serviço Geográfico do Exército Brasileiro (DSG/EB) disponibiliza através do Geoportal do Exército Brasileiro, além das ferramentas por eles desenvolvidas para uso no QGIS (Complemento DSGTools), algumas apostilas de treinamento no QGIS e nas ferramentas do DSGTools.

    http://www.geoportal.eb.mil.br/index.php/qgis-menu/qgis-apostilas

    "Como forma da ajudar os usuários de QGIS e dos nossos pluginsa se capacitarem, a equipe de desenvolvimento da DSG elaborou as seguintes apostilas”:

    1.       Introdução ao SIG– Apostila voltada aos usuários que precisam de uma base teórica;
    2.       Apostila de treinamento em QGIS (2.8 "Wien" – 87 págs.);
    3.       Manual do plugin DSGTools;
    4.       Manual de Processamento Digital de Imagens (QGIS 2.4 Chugiak/2014), que aborda os seguintes assuntos:
    ·        Interface do QGIS
    ·        Formatos reconhecidos
    ·        Ferramentas de medição
    ·        Tabela de atributos do QGIS
    ·        Listagens de bandas
    ·        Realce de Histograma
    ·        Composição RGB
    ·        Criação de mapa de declividade
    ·        Recorte de imagens
    ·        Criação de buffers
    ·        Conversão entre tipos de geometrias
    ·        Calculadora raster
    ·        Georreferenciamento
    ·        Filtros
    ·        Extração de curvas de nível
    ·        Mosaico
    ·        Fusão de imagens
    ·        Classificação supervisionada
    ·        Classificação automática
    ·        Vetorização de imagens classificadas
    ·        Conversão Raster para Vetor e de Vetor para Raster

    Cursos Presenciais de QGIS

    A ultima turma presencial do Curso de QGIS marcou o início de uma parceria com a empresa Geokrigagem, do Professor Jorge Kazuo Yamamoto, sendo realizado em suas dependências, na cidade de São Paulo – SP.
    A partir de agora, os Cursos de QGIS (Básico e Avançado) do Geosaber serão realizados com a Geokrigagem, que tem uma infraestrutura ideal para Cursos (QGIS) e Treinamentos (no programa GEOKRIGE).


    Deixo um agradecimento especial ao Professor Jorge Kazuo Yamamoto*, diretor da Geokrigagem (http://www.geokrigagem.com.br) pela parceria que permitiu a realização deste Curso.
    Em outubro, estaremos juntos no 48° Congresso Brasileiro de Geologia (http://www.48cbg.com.br) para o lançamento do software GEOKRIGE de Modelagem Geológica e Geotécnica Tridimensional.

    *Jorge Kazuo Yamamoto é Geólogo (ex-IPT), Professor (IGc/USP) e um dos autores do livro "Geoestatística: Conceitos e Aplicações" e desenvolvedor do software de modelagem geológica tridimensional GEOKRIGE.